Pré Wedding Solar dos Ipês

Gisele e Caique

Nossa história não começa com um “ERA UMA VEZ” e sim com “ERA PRA SER”. Nos conhecemos em 2008 através de uma amiga. Conversávamos por msn, até que um dia combinei com amigas e amigos de que iríamos comemorar meu aniversário de 13 anos no cinema, e é claro que eu chamei o Caique pra ir. Como ele gosta de dizer “ele caiu na minha casinha” e foi nesse dia que demos o primeiro beijo... 23 de maio de 2008. Foi aí que tudo começou, conversas por msn, horário marcado para ir na lan house, atravessar a cidade de bicicleta pra ir até a porta da minha casa me ver. Praticamente (ou totalmente) duas crianças, então só conversávamos e dávamos uns beijinhos. A dificuldade pra conversar, pra se ver, acabou nos afastando, e só depois de quase 2 anos, antes do meu aniversário de 15 anos, já em 2010, nos encontramos novamente e foi aí que consideramos o nosso primeiro namoro. Meus pais já conheciam os pais dele, inclusive estudaram juntos. Engraçado como os caminhos sempre se cruzaram. Namoramos pouco tempo, já que naquela época os dois pré adolescentes não sabiam nem o que significava namorar kkk, até que decidimos seguir caminhos separados, que por incrível que pareça, hora ou outra, se encontravam em lugares imprevisíveis, que para resumir eu não vou nem detalhar as inúmeras situações inusitadas que já passamos. Em 2013 vim para Uberlândia e o destino nos colocou no mesmo lugar para fazer uma prova de vestibular, para a mesma faculdade, na mesma sala, e eu sequer imaginava. Porém nossos caminhos continuaram separados, já que ele não foi estudar na mesma faculdade que eu e voltou pra Caldas Novas. Depois de seis meses ele veio morar em Uberlândia, mas não nos falávamos. Como ele sempre soube onde eu estudava, ficava próximo a plataforma em que o ônibus que tinha rota para lá passava, na esperança de um dia me ver... Mas eu nunca fui de ônibus pra faculdade por morar bem perto. Depois de algumas tentativas sem sucesso de falar comigo por e-mail, em 2015, ele lembrou do meu número de telefone e me chamou pra conversar. Depois de muita insistência aceitei o convite e fomos até o shopping. Conversa vai, conversa vem, fomos parar de novo no cinema. Decidimos reatar. Essa parte da história é trágica, mas evolutiva, porque mais uma vez nos separamos. Alguns meses separados, o Caique, empenhado em me conquistar outra vez, depois de muitas conversas sem resposta por Whatsapp, repetiu a minha tática de 2008... Armou uma “casinha” pra me encontrar no cinema, sem eu saber. E lá no meio do Shopping estava o Caique com flores e chocolate pra me surpreender. Naquele momento não foi o bastante pra convencer essa pessoa rancorosa que vos fala kkk, mas depois de longas conversas, e mais chocolates, e tantas declarações e promessas de mudanças, resolvi dar uma nova chance. Mais uma vez¿ Sim, mais uma vez! Porque foi aí que eu vi que Deus tinha tudo escrito lá de cima, mas que era no tempo dEle, que Ele estava nos preparando pra viver e entender o tal do “era pra ser”. Porque era pra ser quando eu o escolhi lá atrás pra ir no cinema comigo, era pra ser quando nos encontrávamos por acaso nos lugares, quando o Caique dizia pra quem quisesse ouvir que ficaria comigo de novo, era pra ser quando em meio a tantas tentativas de ficarmos juntos não compreendemos que a única tentativa que daria certo seria quando Deus nos preparasse pra isso. Era pra ser, está sendo, e vai ser pra sempre. Cá estamos nós, com quase 14 anos de história, provando a quem quiser ver que existe destino, que nossa história já estava escrita e que, com toda propriedade posso dizer: NÓS SOMOS ALMAS GÊMEAS. O Caique é o resumo dos três espaços de tempo na minha vida: passado, presente e futuro! Um futuro lindo escrito pelos dedos de Deus!